Olá,
Nesse "Dia Internacional da Mulher", 8 de março, me senti na obrigação de fazer uma postagem digna da data! Para nós, mulheres (para todos que se definem mulheres!), que conquistamos tanto e ao mesmo tempo pouco.  


Fiz então uma seleção de 5 personalidades que admiro, e todas da atualidade porque bem, se eu tivesse que listar de toda a história dificultaria mais do que foi para criar essa postagem! São muitos exemplos, mas as vozes do século XXI que vão estar em foco hoje. Confira:




Nascida no Paquistão no ano de 1997, Malala Yousafzai é uma jovem defensora da educação em seu país e no mundo (sendo a pessoa mais jovem a ganhar um Prêmio Nobel da Paz) e dos direitos das mulheres. Entre os 11 e 12 anos ela escreveu num blog para a BBC relatando a situação no Vale do Swat, onde mora com a família, enquanto a região estava dominada pelo grupo religioso extremista Talibã e depois fez parte de um documentário denunciando a negligencia dos militares do país em relação à segurança lá e suas intervenções. Em 9 de outrubro de 2012 sofreu um atentado, levando um tiro no lado esquerdo da testa, sendo levada a um hospital na Inglaterra em situação de risco, mas felizmente sobreviveu. O acontecimento levou a ONU  a criar uma petição pela educação infantil mundial, nomeada de "Eu sou Malala" em sua homenagem e teve grande repercussão mundial.

Eu estou terminando atualmente a biografia dela (publicada pela Compainha das Letras), "Eu sou Malala", e a resenha sairá aqui em breve. 



Filha do ator Jon Voight, Angelina Jolie cresceu praticamente no mundo do entretenimento, o que mais tarde levou-a a se tornar atriz (tendo 8 prêmios na bagagem), além de incorporar várias outras profissões da área: produtora, dubladora, roteirista, e hoje também diretora. Uma grande atriz, mas o que faz ela entrar em destaque nessa lista é um adicional: seu grande apoio à causa humanitárias no mundo inteiro. Embaixadora da Boa Vontade para Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, seu interesse pela missões humanitárias começou numa filmagem para o filme "Lara Croft: Tomb Raider", em 2000, no Camboja. Desde então ela já doou para a ACNC mais de 5 milhões de dólares, participa e financia projetos como "Education Partnership for Children of Conflict" nos EUA e o "Centro Nacional para Crianças Refugiadas e Imigrantes", um abrigo que presta assistência jurídica para crianças, e colabora para tratamentos para crianças com vírus da AIDS e tuberculose.

Fonte para o texto:
http://angelinafanbrasil.com/

Aung San Suu Ki não esperava que, em 1988, quando voltou ao seu país - a Birmândia, ou Myanmar -  para estar ao lado da mãe em seus últimos momentos de vida, se tornaria um dos rostos principais da luta pró-democracia do mundo. Nem que poucos dias ante das eleições de 1990 ela seria detida pela junta militar que mantinha o país sob regime de repressão violenta.
Filha de Auung San, herói nacional que contribuiu fortemente para a independência da Birmânia do Império Britânico, ela teve de sair do país muito jovem quando o pai foi assassinado por um grupo opositório e passou a viver na Índia e mais tarde na Inglaterra, onde conheceu seu marido, Michael Aris, com quem teve 2 filhos (e morreu em 1991, quando ela ainda estava presa). 
Seu modo de protesto pacífico é admirado em todo mundo, tendo ganhado o prêmio Nobel da Paz em 1991. Foi finalmente libertada em 2010, e hoje é deputada pela Liga Nacional pela Democracia.

Há um filme baseado nesses acontecimentos, "Além da Liberdade" e estou vendo-o atualmente pela Netflix e gostando muito (em breve crítica aqui!).


Quem nos dias de hoje não conhece a série de livros e filmes Harry Potter?
O que poucos sabem é que para que ela fosse criada, Joanne Rowling (o "K" na verdade é uma homenagem á sua avó, Kathleen), mais conhecida como J.K Rowling, teve que enviar seu original do primeiro livro para mais de 10 editoras, sendo recusada por todas? Pois é, se apenas soubessem na época... Inclusive, seu pseudônimo veio a partir de uma questão de gênero: sua editora pensou que não seria atrativo para o mercado editorial uma escritora que escreve "livros para meninos" (o que não existe de fato).
Recebeu diversos prêmios literários por HP, e usa parte da fortuna adiquirida para ajuda organizações que combatem pobreza e desigualdade social. "Eu acho que nós temos uma responsabilidade moral, quando nós recebemos muito mais do que nós precisamos, de fazer as coisas sábias com ele [dinheiro] e usá-lo de forma inteligente". Tinha patrimônio estimado em 1 bilhão de dólares, até doar 20% da sua fortuna bruta. Hoje escreve os romances policiais do detetive Robert Galbarith.

Fonte de pesquisa:
http://pt.wikipedia.org/wiki/J._K._Rowling









Você já deve ter escutado a música da cantora Beyónce, "Flawless", mas você sabia que alguns trechos da música são do discurso da escritora Chimamanda Ngozi Adichie?
Com 6 livros publicados, essa nigeriana conquistou o mundo da literatura com seu romance "Meio-Sol Amarelo", vencedor do prêmio Orange Prize. Ela procura sempre chamar atenção em suas obras e palestras para temas como os estereótipos que se criam sobre culturas e seu impacto na vida das pessoas, e a necessidade de um novo olhar sobre a questão do papel da mulher na sociedade, assunto bem forte em seu primeiro romance "Hibisco Roxo", que alerta também sobre a violência doméstica e a corrupção.

Li ano passado "Hibisco Roxo" e infelizmente não resenhei aqui, mas pretendo muito em breve ler "Americanah", seu novo romance e resenha-lo. É um livro que indico absolutamente!

Discursos de Chimamanda:






Deixe um comentário