Há algum tempo que queria ler esse livro e quando comprei-o, li em praticamente dois dias! Agora, você têm a oportunidade de conhecer minha opinião sobre o famoso livro da autora Kiera Cass...
Num futuro alternativo, a América do Norte se tornou um estado submisso á China e uma monarquia, com seu povo dividido em castas de 1(Elite) á 8(excluídos da sociedade).
America Singer  pertence á casta 5, a casta dos artistas, músicos e dançarinos.Sua família passa por sérios problemas financeiros, enquanto ela tenta esconder seu namoro com Aspen, um menino Seis - a casta dos serventes, o que o faz incompatível com a idealização de "bom marido" da mãe.

Tudo parece estar entrando nos trilhos, quando chega o anúncio da Seleção: um concurso que dá a oportunidade de uma menina entre 32 escolhidas - de qualquer casta - se tornar Rainha, casando-se com o príncipe herdeiro e garantindo uma vida confortável para si mesma e sua família. E disso America não acha escapativa; a mãe a faz entrar no concurso, mas a menina permanece tranquila, certa que não seria uma das escolhidas e em breve poderia assumir seu namoro.

E o inesperado acontece; America é uma das meninas escolhidas em todo país para competir pelo coração do príncipe - e pela coroa.Todo seu mundo parece girar e já não sabe o que fazer: como lidar com a situação do qual nunca quis fazer parte?

Mais uma distopia adolescente narrada em primeira pessoa para a listinha, "A Seleção" tem seus diferenciais e seus clichês.

A história em geral não gera uma grande surpresa (apesar de ter sim, seus momentos): uma personagem principal bondosa que rejeita o seu destino, um triangulo amoroso, um país em meio de um conflito politico e interno.
Mas o interessante é que mesmo assim, mesmo cheio de clichês, não se torna entediante de ler, aliás, até prazeroso, capaz de me fazer grudar nesse livro até termina-lo.

Lidamos no livro com uma monarquia dividida em castas - um dos piores tipos de divisões sociais existentes, na minha opinião -  onde a escalada social é difícil e a vida nas castas baixas é miserável. 

Ao longo do livro dá para notar certas criticas sociais (como um sistema de castas semelhante ao desigual valorização de profissões, onde um jogador de futebol e uma celebridade fica acima de um médico ou um artista talentoso), colocadas de lado quando o assunto é o romance da protagonista, mas dá para formar um plano de fundo interessante; num futuro totalmente inesperado, uma América de reis, rainhas e castas e quase nenhum avanço tecnológico. 

Mas algo é o que é certo; nesse futuro houve muitas guerras e a crise política é feroz em todo planeta, tendo o palácio real constantemente invadido por rebeldes e fica a pergunta: como um país que abominou e lutou contra a dominação inglesa para se tornar uma república, vira uma monarquia, algo que nem está em sua história? A resposta sinto que não tem uma explicação concreta.



Mas voltando ao trama central, America deseja fugir de tudo isso e sua vontade mesmo é permanecer na sua posição humilde como uma Cinco com sua família e seu namorado. O que me intriga é que não decidi se gosto ou não da protagonista. Quer dizer, não sei o que houve com essas personagens ultimamente.

Parece que surgiu um novo tipo de padrão entre as protagonistas (ou velho renovado?). Eu gostei da personagem,mas entendam: é sempre aquela menina legal, bondosa e altruísta, que prefere calça jeans e sofá no lugar de luxo e mordomia e que está sempre de coração aberto, quase sempre prestes a se apaixonar ou já apaixonada. Não estou dizendo que é ruim, é ótimo que as adolescente possam se inspirar nessas atitudes, mas eu sinto falta de uma personalidade mais complexa, mais humana na história. Sinceramente, America me lembra completamente a protagonista de “Maldição do Tigre” (em personalidade) e vejo nelas quase a mesma pessoas, por exceção de achar America bem mais engraçada.

Não engraçada pelo humor em si, mas pelas atitudes absurdas. (DESABAFO/Spoiler) Sério, a menina está num encontro com um príncipe, um homem que pode definir seu destino só estalando os dedos e diz para ele (conhecendo-o até o momento só pela TV)que é superficial, chuta a bolas dele (perdão, não tem como falar disso de outro jeito) e diz que só quer ficar pela comida?!


A monarquia também nesse livro se distancia e muito de uma verdadeira, como nos tempos do Absolutismo. É totalmente mais liberal, em que a protagonista fala poucas e boas para quem quiser ouvir e sai intacta. É certo que tem uma base bem formada, mas em nenhuma monarquia de verdade alguém poderia fazer as coisas que a America fez (parágrafo acima) e continuar vivo. Só pelo “superficial” iria direto para o enforcamento, sem nó nem piedade.

Os personagens para mim que se mostraram mais interessantes mesmo foram o príncipe Maxon e sua complicada família.É simplesmente um doce de menino, com um toque ingênuo - bem ingênuo mesmo - que consegue ganhar destaque, ao ver um garoto criado no palácio finalmente ser exposto á uma dura realidade ao conhecer America, que o conta como é a vida fora da vida real.

O concurso em si também gera uma ansiedade; é aquela sensação de competição, que apesar de saber o óbvio - que America é uma das que chega as finais - você ainda cria apostas com si mesmo para ver quem está ganhando.

Os momentos de America com o príncipe são bem fofos, quanto que com Aspen são digamos - intensos, mas não o suficiente para gerar uma dúvida de verdade.Acaba que os sentimentos dela são muito, mais muito confusos, que não dá nem para acompanhar.

Ao fim é um livro legal, fácil de ler e indico para quem gosta de um pouco da sensação conto-de-fadas misturado com reality-show e competição.Não daria assim, uma nota dez, mas também não é tão ruim, para se entreter numa tarde chata é uma boa escolha.

Info: Paginas : 368 Editora: Seguinte I.S.B.N.: 9788565765015


14 Comentários

  1. Muito legal. Estou curiosa sobre a saga desse livro e acho que vou comprá-lo.
    Beijos!

    www.aiecharme.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu já li, e ansiosa pelo último volume. Para mim, A Seleção ganha em capa, em escrita e em inovação. É um conto-de-fadas mais atento a realidade. Eu indico sempre! Parabéns pela resenha!!!

    ResponderExcluir
  3. Esse é o melhor livro que ja li em toda vida , ja vi varias resenhas e todas sentimos as mesmas coisas , estou esperando mto anciosa pelo The One ♥ http://gps-da-moda.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Boa resenha!!!

    Ainda não li o livro, mas já comprei os dois primeiros da série e li alguns comentários sobre ele, o seu foi o primeiro que me passou uma visão mais clara do que a série aborda sem soltar muitos spoilers. ^^

    Distopia virou moda né?
    Mas essa aproveitou para tratar dos concursos de beleza e não vi isso tão claro assim nas outras distopias... nelas, a perfeição e o preconceito contra quem não é perfeito fica sempre nítida, mas achei legal a autora usar algo mais palpável para isso.

    Boa leitura!!!

    Cássia Lima
    Vivendo um sonho por dia
    ou
    No Wordpress: Vivendo um sonho por dia

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei do livro, ele é bem leve e fácil de ler, tanto que eu li em um dia. A distopia fica realmente como pano de fundo pra história e eu achei a America um tanto estranha, entendo que ela gostava do Aspen, mas que tipo de garota não correria atrás de uma chance de mudar a vida como a que ela tem?
    Adorei a resenha.
    Beijos!
    http://www.lerimaginarviver.com/

    ResponderExcluir
  6. Pela sua resenha, o livro parece ser um pouco clichê mesmo, mas ao mesmo tempo parece fazer algumas reflexões sobre a sociedade e sua mania de separar/classificar as pessoas...

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha, estou louca para ler A Seleção. Parece uma distopia bem diferente, porque nao tem muita ação como os outros de distopia. Verdade?
    Beijos. Adorei o blog. Seguindo.

    http://chocolatecomlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem isso, pouquíssima ação mesmo.O pico de ação do livro é só quando elas se escondem dos ataques rebeldes.

      Excluir
  8. Normalmente gosto de distopias, e alguns dos meus livros YA favoritos são desse gênero, mas ultimamente estou fugindo dos livros muito clichês, e algo na sinopse desse livro me fez travar na hora da leitura. E pelo que li na sua resenha, fiz bem em ficar longe dele.
    Adorei seu blog.
    Bjs
    Nel
    Mais um blog sobre livros.

    ResponderExcluir
  9. Adorei a resenha e entendi perfeitamente o seu ponto de vista Manu, apesar de discordar. Deve ser justamente porque eu não gosto de muita "ação" nos livros, o que as vezes faz falta pro resto, né? :)

    Um beijo!
    Mila

    www.delamila.com

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é muito bom !! Lembro que tuve que ler em 2 dias e sem esforço algum li em 1! Kiera tem o dom de surpreenderconforme a historia se desenrola, e sim, o temperamento da America é incrivel haha e eu fiquei louca de curiosa sobre os ataques que engoli a elite também! Ja leu os outros ?? Eu super indico. Ler essa resenha me da saudade de ler algo que não seja voltado ao vestibular, mas graças a Deus, está chegando ao fim \o.

    Também resenho livros, caso se interesse : http://www.caixinhaderabiscos.blogspot.com
    Beijos, Rapha :*

    ResponderExcluir
  11. A Seleção <3 Puro amor por essa trilogia.
    Maxon é o melhor personagem (talvez porque eu ame ele :D).
    Parabéns pela resenha e pelo blog.

    Bjs
    Carinho das Palavras (tacilaporto.wordpress.com)

    ResponderExcluir
  12. Minha saga favorita! Amei demais sua resenha.
    Beijinhos
    www.docesresenhas.com.br

    ResponderExcluir
  13. Essa saga é simplesmente perfeita, amo tanto e sua resenha ficou perfeita!

    Beijos

    http://www.eainessie.com

    ResponderExcluir